sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

#3 Sobre ouvir

Passei muito tempo sem escrever sobre os atos aleatórios de gentileza, mas não deixei de praticar e tentar "ser gentil ao invés de ter razão". O que percebi é que a prática deve ser diária. Quando somos tentados a não dar atenção a algo que para nós "pode ser deixado para depois" é que devemos parar e avaliar o quão importante uma palavra, um abraço, um sorriso, um ouvido é para a outra pessoa, sabe?

Há três meses, por exemplo, recebi uma ligação pela manhã e ao invés de desligar correndo quando pensei que poderia ser mais uma chamada chata de telemarketing, parei e escutei o que a moça ao outro lado tinha para falar. Minha surpresa foi ver que era uma ligação da Associação Laramara, que minha mãe ajudou essa instituição durante muitos anos. Eu já conhecia o trabalho deles, mas deixei a moça explicar sobre o que se tratava e resolvi colaborar com uma doação. Naquele dia, escolhi ouvir ao invés de obedecer a vontade inicial de dizer "não estou interessada".

Quantas vezes você já disse não estar interessado para algo que nem sabe ao certo o que é? Talvez a gente não fale com essas palavras, mas mostra exatamente isso. Tipo quando seu amigo te liga desesperado, querendo ouvir uma palavra de conforto e você diz "tô ocupado, já te ligo" (mas, na verdade, você estava só atualizando seu status no facebook). Também quando alguém, que você mal conhece, resolve se abrir e contar algo para você, que ao invés de abaixar um pouco a guarda e ouvir sem nenhum interesse, já pensa: "claro que vive com problemas, se abre para qualquer um". Ou naquele dia que você realiza que já tem seus próprios problemas e decide se fechar, esquecendo daqueles que contam com você. Sim, porque a vida é assim. Existem pessoas que contam com você e se fechar para elas, só vai fazer com que um dia, quando você precisar delas - o mundo dá voltas, lembre disso - elas já estarão tão distantes, que nem reconhecerão a pessoa em quem você se tornou.

Eu só sei que ainda tenho muito para aprender. Gentileza gera gentileza, mas que às vezes ser gentil não vai fazer com que a pessoa seja gentil de volta. Sempre tive a noção de que devo fazer as coisas sem interesse algum, mas fatalmente, esperava algum reconhecimento, mesmo que subjetivo, de volta. Hoje em dia, minha maior luta é com o meu ego. Não preciso ser reconhecida por algo bom que eu tenha feito. Se uma pessoa tiver seu dia mudado por conta de qualquer simples ato que eu tenha realizado, já terei ganhado o dia.

3 comentários:

Rosangela C. Prado Costa disse...

Disse tudo. No mundo corrido que vivemos o que nos falta é atenção, dar e receber atenção não dá tempo...
Como diz; Fazer o bem sem olha a quem!
Sábias palavra Sara.
Bjos

Anônimo disse...

E você pratica tão bem esta gentileza comigo, gentileza de me "ouvir", saiba como suas palavras já foram usadas para salvar meu dia várias vezes...espero poder retribuir, se não com palavras, que seja com a oração. Tenha em mim um ombro amigo para quando precisar, e espero ainda poder contar com o seu rsrs..bjs Mi

Julio Melo disse...

É isso aí, Sara.

Aprender a falar é muito importante, mas aprender a ouvir é tão importante quanto.

Por a gente não saber ouvir é que a gente quebra muito a cara... mas quebrar a cara faz parte da vida :)