terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Dreams come true

Ano passado, aprendi que era muito mais forte do que acreditava ser. E nesse ano fui lembrada que nenhuma tristeza é eterna ou permanente, dias cinzas são necessários, assim como dias chuvosos e ensolarados, tudo me forma, tudo me molda. E nossa! Como eu fui moldada em 2013, como eu aprendi a me enxergar melhor, assim como enxergar o outro com menos julgamentos e com mais amor.

Me levei para passear nos sábados sabáticos e comecei a ver São Paulo com outros olhos, percebi que sou uma ótima companhia para mim mesma e que em dias tristes a melhor coisa pode ser ler um bom livro num centro cultural da cidade. Isso me deu ânimo para voltar a escrever... no blog, no diário e no bloco de notas. Passei a escrever como convidada em blog amigo e a confiança e ânimo na escrita voltou (e volta todo dia mais um pouco), novas oportunidades de trabalho surgiram, comecei um novo blog e eu percebo que nada, absolutamente nada que passei até agora foi à toda. Tudo acontece por um motivo. Tudo coopera para o meu bem.

A gentileza mudou minha vida nesse ano e quando falo isso, muitas pessoas não entendem, porque parece subjetivo e utópico demais. Mas eu sei o poder que palavras na hora certa, ouvidos, flores e sorrisos possuem. E mais do que mudar a vida da outra pessoa, passar a ouvir, ser gentil e julgar menos mudou e muda sempre a minha vida.

Nesse último ano, eu lembrei que sonhos se tornam realidade. É preciso ter fé, esperança, não desistir do amor e sempre plantar coisas boas. Soa clichê e eu não me importo: dreams come true. Realizar um sonho de criança, que eu nem sabia que era tão grande assim, me ajudou a ficar mais leve. Fui pra Disney para conhecer um país novo, ficar mais feliz e esperançosa de que as coisas podem e devem ser mais coloridas, mais felizes e mágicas. Vivi isso com meu irmão e agora temos histórias para contar aos filhos de como choramos vendo os shows da Bela e a Fera no Hollywood Studios, de fogos no Magic Kingdom e da baleia Shamu no Sea World. Eu voltei a ser criança, sem medo ou vergonha disso.

2013 foi o ano em que "eu olhei a tristeza nos olhos e sorri". Mais do que sorrir, eu gargalhei.

Let the memories begin!

#vem2014

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

#4 Uma flor para o seu jardim

Há meses, apareceu um recado no elevador: "Os 21 vasos de violetas da Fátima, faxineira do prédio, haviam sido furtadas". Quem faria algo assim e por quê? A Fátima é sempre gentil com todas as pessoas, sempre educada e trabalha há muitos anos no prédio. Ela também tem uma relação muito afetiva e bonita com as flores. Quando seu filho faleceu, alguns moradores se juntaram para pedir ajuda para ela e depois ela fez questão de dar um vaso de violeta para cada pessoa que tinha colaborado. Lembro até hoje do dia que ela veio aqui em casa, agradecendo pela ajuda e me entregou um vaso com suas flores prediletas :)

Quando li que seus vasos haviam sumido, eu pensei na mesma hora: vou comprar flores para alegrar seu dia. Mas, confesso, deixei para depois, depois, depois e esqueci... Quando lembrei, fiquei com vergonha e pensei comigo: "não faz nem sentido dar as flores para ela agora, já faz muito tempo". Engano meu, claro. Há duas semanas, eu estava sozinha em casa e "do nada" lembrei da Fátima. Saí e resolvi passar na floricultura perto de casa para comprar algumas violetas para ela.

Coincidentemente (ou por destino?) a Fátima estava na portaria assim que cheguei com as violetas, eu entreguei para ela, disse que esperava que a ajudasse refazer o jardim dela. A emoção dela nos aproximou, acabamos conversando sobre o ocorrido e ela ainda não entende quem poderia fazer isso com ela. Mas de todo o jeito, ela já estava com alguns vasos e os que eu acabara de dar a ela, a ajudaria a voltar com sua coleção de violetas.

Conversamos sobre outras coisas, me senti mais próxima dela e de sua história de vida. E a lição? Nunca mais deixo para fazer depois algo que sei que pode mudar o dia de alguém. E se por acaso eu não conseguir fazer o que quero na hora que quero, não acharei que é tarde demais.

Nunca é tarde para ser gentil com o outro ;)

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

#3 Sobre ouvir

Passei muito tempo sem escrever sobre os atos aleatórios de gentileza, mas não deixei de praticar e tentar "ser gentil ao invés de ter razão". O que percebi é que a prática deve ser diária. Quando somos tentados a não dar atenção a algo que para nós "pode ser deixado para depois" é que devemos parar e avaliar o quão importante uma palavra, um abraço, um sorriso, um ouvido é para a outra pessoa, sabe?

Há três meses, por exemplo, recebi uma ligação pela manhã e ao invés de desligar correndo quando pensei que poderia ser mais uma chamada chata de telemarketing, parei e escutei o que a moça ao outro lado tinha para falar. Minha surpresa foi ver que era uma ligação da Associação Laramara, que minha mãe ajudou essa instituição durante muitos anos. Eu já conhecia o trabalho deles, mas deixei a moça explicar sobre o que se tratava e resolvi colaborar com uma doação. Naquele dia, escolhi ouvir ao invés de obedecer a vontade inicial de dizer "não estou interessada".

Quantas vezes você já disse não estar interessado para algo que nem sabe ao certo o que é? Talvez a gente não fale com essas palavras, mas mostra exatamente isso. Tipo quando seu amigo te liga desesperado, querendo ouvir uma palavra de conforto e você diz "tô ocupado, já te ligo" (mas, na verdade, você estava só atualizando seu status no facebook). Também quando alguém, que você mal conhece, resolve se abrir e contar algo para você, que ao invés de abaixar um pouco a guarda e ouvir sem nenhum interesse, já pensa: "claro que vive com problemas, se abre para qualquer um". Ou naquele dia que você realiza que já tem seus próprios problemas e decide se fechar, esquecendo daqueles que contam com você. Sim, porque a vida é assim. Existem pessoas que contam com você e se fechar para elas, só vai fazer com que um dia, quando você precisar delas - o mundo dá voltas, lembre disso - elas já estarão tão distantes, que nem reconhecerão a pessoa em quem você se tornou.

Eu só sei que ainda tenho muito para aprender. Gentileza gera gentileza, mas que às vezes ser gentil não vai fazer com que a pessoa seja gentil de volta. Sempre tive a noção de que devo fazer as coisas sem interesse algum, mas fatalmente, esperava algum reconhecimento, mesmo que subjetivo, de volta. Hoje em dia, minha maior luta é com o meu ego. Não preciso ser reconhecida por algo bom que eu tenha feito. Se uma pessoa tiver seu dia mudado por conta de qualquer simples ato que eu tenha realizado, já terei ganhado o dia.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

27.

2012 foi um ano que aprendi muito! Amadureci mais do que em qualquer outra fase. E é tão interessante ver que os erros e percalços do caminho é que me fizeram chegar aqui. Me fizeram assim. 2013 começou cheio de desafios e, claro, mais aprendizado. Novos oportunidades de trabalho, novos amigos e tanta coisa nova... Como conciliar o novo com o que já está há anos na minha vida? Com fé, esperança e amor, sempre. E foi num balanço recente que parei para pensar que ia fazer 27 anos me deu um pouco de medo.

Fiquei mais velha no dia 24 de outubro e pela primeira vez parei para pensar seriamente "nos 30 anos". Sim, eles estão chegando e fatalmente comecei a pensar: o que já fiz na vida? Que lugares conheci? Quem cativei? O que estou fazendo para me tornar uma pessoa melhor?

Pensei, pensei e pensei. O bom disso tudo é que fiquei feliz com o resultado. Sei que ainda tenho muito para fazer e conquistar, muito para aprender, mas o que e quem tenho do meu lado hoje me fazem muito bem. Pais que são amigos e exemplos e me amam incondicionalmente. Três irmãos mais novos, que compram minhas brigas, assim como eu compro a deles, parceria para a vida toda. Sou casada com meu melhor amigo, meu companheiro de riso, caretas, cicatrizes e aventuras. Amigos que mantenho desde o pré, colegial, faculdade e primeiros anos de estágio. Em 27 anos, morei no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo. Saltei de paraquedas. Conheci Lisboa, Paris, Sevilha, Campos do Jordão, Belém, Ubatuba, Nova Iorque, Orlando e Miami e quero conhecer tantos outros lugares por esse mundo afora. Trabalho desde os 18 anos no mesmo lugar, pode parecer algo sem emoção, eu mesma já pensei nisso, mas quer saber? Aprendo e ensino diariamente lá, tenho uma equipe querida e fiz bons amigos. Toda vez que uma pessoa diz que foi abençoada por meio de um dos programas que colocamos no ar, vejo que o trabalho vale a pena. E isso me faz bem, me faz ter paz e fé para os dias e anos que ainda virão.

Passei meu aniversário com aqueles que amo e recebendo amor concentrado em forma de presentes, palavras, beijos e abraços. A vida é boa. Perdi o medo de ficar mais velha e ganhei esperança e força pra trabalhar mais, escrever mais, sonhar e realizar mais. Que venham os 28, os 29, os 30, os 50, os 80... Que venha a vida. Que eu viva a vida.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Coisas que o dinheiro não paga

A primeira coisa que pensei quando cheguei na Times Square foi: "WOW". Não tem como ter outra reação. É muita luz, muita informação, muita gente, muitas lojas, tudo é muito. É estranho pensar que a Times Square é um dos meus lugares prediletos de lá. Eu não sou muito fã de muitas luzes, me dá um pouco de dor de cabeça, mas lá tudo ganha um clima diferente e, veja bem, logo você entra no clima. Existem muitas coisas que dinheiro nenhum paga, conhecer uma cidade, um país e pessoas diferentes são exemplos disso. E em relação às coisas que o dinheiro pode pagar, já adianto: se planeje. Compras nos Estados Unidos fazem parte da viagem. Não precisa gastar muito, mas é bom se preparar para comprar algumas coisinhas que valem a pena.

Na Times Square se você quer comprar maquiagem boa e barata (comparando com o Brasil, claro), passe na MAC ou na Sephora (lembrando que lá a loja não vende maquiagem da MAC igual acontece aqui no nosso país). Fui muito bem atendida nos dois lugares, acho bom ressaltar isso porque eu não manjo nada de maquiagem e nas lojas recebi assistência em tudo que pedi e precisei. Sem contar que podia experimentar tudo na hora. Bem pertinho de lá tem outras duas lojas incríveis pra voltar a ser criança: Disney Store e Toys "R" Us. Eu queria todos os brinquedos, simples assim. Idade mental de, sei lá, 10 anos? Talvez. Mas é bom voltar a ser criança de vez em quando! As lojas MM'S e Hershey's são ótimas pra comprar lembrancinhas e pra comprar doces que não encontramos aqui no Brasil. Eu trouxe um saco de MM's de diversos sabores pra deixar na minha mesa de trabalho. E a minha loja preferida de lá: Forever 21. Vestidos lindos por preços bem convidativos, se você, como eu, não liga pra "comprar roupas de marca", aposto que vai gostar bastante de lá. É uma loja enorme e merece uma visita!

Existem dois outlets que normalmente as pessoas que viajam para Nova Iorque costumam ir: Woodbury Commom Premium Outlets e Jersey Gardens. Nós optamos pelo segundo. Que é mais próximo da cidade (mesmo ficando em New Jersey) e fácil de chegar indo de ônibus que sai do Port Authority Bus Terminal.O outlet de New Jersey tem as principais marcas a preços bons e você ainda pode pegar um cupom de descontos passando na Concierge Desk. Para conseguir ainda mais descontos baixe o aplicativo RetailMeNot ou acesse o site para entender como funciona. Quando você perceber que sua compra saiu pela metade do preço, vai ver como valeu a pena :)

Nova Iorque foi um destino incrível, tenho noção de que faltaram muuuuitos lugares bacanas pra conhecer, mas não tem problema! Volto em breve, já está na lista de "coisas a fazer". 2012 foi o ano em que mais viajei e 2013 não está sendo diferente, conheci Orlando e Miami e em breve escrevo sobre. Novas cidades sempre nos trazem novos ares, novos desafios e são apaixonantes. Minha dica? Não espere pra fazer uma viagem internacional, comece viajando na sua própria cidade, faz um sábado sabático, desbrave o mundo ao seu redor. É a melhor coisa, o melhor investimento a se fazer :)

PS: Sobre viajar, leia esse texto. Espero que desperte em você a vontade de conhecer lugares novos, pessoas novas e que você entenda que existem coisas que dinheiro nenhum paga :)

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Café com Mandioquinha

Tudo começou como uma brincadeira entre eu e meu amigo-irmão Carlos Plaza. Cansada das opções para almoçar e tomar café perto do nosso trabalho, eu decidi usar o aplicativo Foursquare para desvendar novos restaurantes interessantes. Fiz uma lista enorme e o convoquei para a missão de ir atrás desses lugares escondidos no centro da cidade de São Paulo.

O primeiro da lista era o "Café com Mandioquinha", nas dicas do Foursquare muitas pessoas citavam o pão de mandioquinha e os bolos deliciosos como os queridinhos. Começamos a desbravar a lista. Quando pensei em descobrir "lugares escondidos no centro", não imaginava que encontrar o Mandioquinha seria tão difícil. Peguei o endereço e fomos e demos de cara com uma galeria comercial. Eu estava com tanta fome que sugeri: "Carlos, vamos em qualquer outro lugar, tô morrendo de preguiça de andar a galeria toda pra procurar o café". Um passo a frente e voilá, nos deparamos com uma porta de madeira e um ambiente que destoava das movimentadas Avenidas São Luís e Consolação.

Eu ainda não sabia, mas o pão de mandioquinha se tornaria a paixão das minhas tardes e os bolos do Mandioquinha passariam a ter a missão de me fazer feliz em dias chuvosos ou tristes. Me apaixonei a primeira vista ou, no caso, mordida. O pão de mandioquinha vem quentinho, o que faz a manteiga, que vem acompanhando, derreter rapidamente. As opções de acompanhamento são: manteiga, geléia de laranja, queijo e/ou presunto. Os bolos são deliciosos e todo dia os sabores variam. O bolo de coco é super macio, peça um pouquinho da calda para colocar por cima. O de bem casado vem bem recheado de doce de leite e muito bem servido (assim como todos os outros). O de brigadeiro e doce de leite tem um lugar especial no coração, se você der sorte pode pegar o "bolo saindo" e aproveitar o brigadeiro quentinho como cobertura. A torta de banana, o pavê de amendoim e o de chocolate são doces que fazem qualquer formiguinha enlouquecer.

Mas não são apenas os bolos e os pães que reinam no Café com Mandioquinha. Para almoçar, você pode escolher entre as três massas fixas do cardápio ou as sopas e pratos do dia. Mas o meu prato preferido de lá é a torta de frango com salada. Simples e bem temperada, como a saladinha pra depois poder me acabar na sobremesa.

A brincadeira continua até hoje. O Foursquare passou a ser um dos meus aplicativos favoritos, eu me tornei "prefeita" do Café com Mandioquinha (posto que me foi roubado pelo próprio Carlos) e continuo buscando lugares escondidos no centro de São Paulo para tomar um cafezinho a tarde, para comer bem e barato num lugar nada chique, para descobrir lugares que se tornam verdadeiros abrigos com comidinhas que servem como antídoto contra tristeza, chuva ou "só" saco cheio de tudo e comidinhas pra comemorar um dia feliz também. 

A ideia era fazer um blog só sobre isso, mas resolvi aproveitar esse mesmo espaço onde já chorei as pitangas, conheci gente bacana, fiz novos amigos, onde conto sobre viagens, descobertas, alegrias infinitas e tristezas passageiras. Vou escrever sobre todos as descobertas recentes e gostosas, primeiramente as do centro de São Paulo que é onde moro e trabalho e depois outros lugares gostosos dessa cidade incrível que abriga diferentes sabores e culturas.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Da beleza de um dia cinza

Decidi há pouco tempo que não gostava mais de dias cinzas. Logo eu, uma apaixonada pela cidade mais cinza do Brasil. Mas ontem, no meio de um domingo extremante cinza em São Paulo, eu olhei para a janela e admirei aquele dia que estava com uma cor-quase-cor. Não é claro e lindo como um dia ensolarado e nem fechado e, também, lindo como um dia de temporal. É um dia cinza e eu estava feliz e amanda aquela cor na minha selva de pedras.

Caiu a ficha.

O dia estava cinza ontem. E era um dia bonito. Talvez os dias cinzas mexeram muito comigo porque meu coração estava fechado para todas cores, inclusive a cor cinza. Parando pra pensar na beleza de um dia como ontem, percebi que quem eu sou e como estou define como vejo o mundo ao meu redor. As coisas se acertam com o tempo. O dia estava maravilhoso e eu estava com meu vestido novo azul e minhas unhas vermelhas. Eu estava feliz. Podem aparecer mais vezes, dias cinzas.

Você vai rir, sem perceber
Felicidade é só questão de ser
Quando chover, deixar molhar
Pra receber o sol quando voltar
(Marcelo Jeneci - "Felicidade")

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Os encantos da cidade que não dorme

Quando pesquisava sobre a viagem para Nova Iorque ano passado, cada pessoa colocava alguma atração como obrigatória. Não teria como eu conhecer tudo em dez dias, mas amei cada escolha que fizemos. E tenho uma lista enorme de lugares para visitar das próximas vezes que voltar a cidade. Sim, eu quero, preciso, desejo visitar outras vezes Nova Iorque :)

- City Pass
Principais atrações de NY por US$ 106 dólares :)
Nós não usamos e agora não lembro direito porque, mas se informe sobre o City Pass, acho que pode ser uma boa opção. Mas a Rapha, do blog Rapha no Mundo já usou e contou sobre lá no blog dela. Aliás, o blog dela foi um dos que mais me ajudaram a sonhar com Nova Iorque. Vale a pena a visita :)

Uma noite no museu
- Museu de História Natural: é sugerido um valor para você pagar, ou seja, você pode entrar sem pagar nada, eu paguei o valor integral, porque acho sinceramente que vale a pena. De qualquer forma, é uma das atrações que o New York City Pass dá entrada. Eu queria muito conhecer esse museu, quem já assistiu Friends, sabe da fama do museu por causa do personagem Ross Geller. O Museu de História Natural é enorme, tem quatro andares, uma coleção de fósseis incrível. Fica perto do Central Park e é parte do cenário Uma Noite no Museu. 

- Metropolitan Museum of Art (também MET ou Metropolitan). Mesma coisa do Museu de História Natural em relação ao preço, você pode pagar quanto quiser. É lindo demais! Meu museu predileto. A parte egípcia é bem bacana, tem esculturas lindas. Tem quadros de Mondrian, Miró e Picasso. O jardim no no terraço é aberto ao público e vez em quando tem exposições lá também!

MoMA: Tem Monet, Matisse, Picasso e Mondrian. Antes de ir, pensava que se por acaso tivesse que escolher entre ele, o de História Natural e o MET, cortaria o MoMA sem dó nem piedade, mas me apaixonei por esse museu e pelo Jardim das Esculturas (do lado de fora e que rende lindas fotos). "Estou exatamente onde deveria estar", é a frase que eu penso quando lembro desse jardim. Por alguns minutos sentei afastada e fiquei observando tudo ao meu redor e pensando o quão abençoada eu era de conhecer um lugar novo. É um dos meus jardins secretos pelo mundo, para entender o que é um jardim secreto, clique aqui.

'Big lights will inspire you'
- Top of theRock: observatório que fica no Rockefeller Center. Vá no final da tarde (antes de escurecer) e vá tirando foto da cidade até a noite, enquanto as luzes se acendem. Ver Nova Iorque de cima é uma coisa linda e única. Sem contar que escolhendo ir nesse observatório, você consegue uma foto linda com o Empire State de fundo, o famoso prédio com mais de 100 andares e um dos símbolos da cidade.

- Estátua da Liberdade: O passeio em si é chatinho, mas eu aconselho ir nem que seja uma única vez. Por quê? Você terá lindas fotos da Brooklyn Bridge, novas torres do World Trade Center, da linda Manhattan e da própria estátua. E também acho interessante ir por causa do símbolo que a estátua é.

- Intrepid: Meu lado moleque ficou louco nesse museu aero espacial! Compre o ticket que dá direito a entrada no Growler (submarino). Se for claustrofóbico, vá só ao museu, não aconselho ir no submarino, eu descobri da pior forma que odeio lugares fechados. 

Times Square iluminada
-Times SquareMuita gente, muita luz, muita informação, é demais! Vá a noite! Vá de dia! Eu amo a Times Square. Dá pra perceber pelo número de exclamações usados, rs...

- HighLine: Era onde o trem passava e virou uma passagem/parque de concreto. Começa no MeatPacking District e cruza uma parte da cidade. Acho que é a cara de Nova Iorque e mostra como eles adaptam qualquer espaço. Uuma mistura de gente passando, alguns sentados em banquinhos comendo, alguns músicos, algumas barraquinhas de comidas e bugigangas, algumas flores... Tudo isso numa passarela que te dá uma vista linda da cidade e passa dentro de prédios. 

- WashingtonSquare: Para sentar no final da tarde tomando um sorvete da Amorino.

- Central Park: Ande um pouco, sinta-se dentro de um filme e deite na grama após uma visita ao Metropolitan, por exemplo. Aproveite para tirar um cochilo, para tirar muitas fotos, tirar foto com a estátua da Alice (amo!), para observar as crianças correndo. É de se apaixonar pelo verde no meio de uma verdadeira selva de pedras. 

- Battery Park: Aqui encontramos esquilos! E ficamos muito tempo brincando e fotografando os bichinhos. Um parque lindo! E lá também fica uma escultura chamada "The Sphere", que por 30 anos ficou no World Trade Center e após o ataque foi transferida para esse parque. Do outro lado do parque tem uma estátua chamado "The Universal Soldier", que é um monumento que homenageia os soldados que participaram da Guerra da Coréia, que durou de 1950 até 1953.

- New York Aquarium: fica em Coney Island, no Brooklyn. É um pouco longe de Manhattan. Mas se você gostar de aquários, sugiro que dê um pulo lá para ver arraias, tartarugas, tubarões, pinguins e antes ou depois do passeio comer no Nathan's ou Totonno's.

- 9.11 Memorial: Quando fomos era aberto ao público, não sei se agora é pago ou não. É um lugar extremamente pesado e, ao mesmo tempo, bonito. Não dá pra explicar muito sem ir lá e sentir o clima.

- Grand Central Terminal: "Brilho eterno de uma mente sem lembranças", "Os Vingadores", "Madagascar", "Homens de Preto", "Eu sou a lenda"... Nunca viu nenhum desses filmes? Todos eles tem a estação como cenário. Em 2013 completou 100 anos, é linda e merece muito ser visitada! Não esquece que nela tem uma Magnolia Bakery e em frente tem o Pershing Square com as panquecas de blueberry deliciosas :) Ah, e lá também tem uma Apple Store. Preciso nem falar mais nada sobre!

- Harlem: num domingo procure uma Igreja por lá, mas fique atento pois algumas igrejas só deixam turistas participarem dos serviços (cultos) das 11h ou outro horário. As Igrejas Batistas estavam cheias quando fomos e optamos por uma Metodista que tinha um coral bem tradicional. 
PS: Uma opção para quem quer conhecer uma Igreja é a Brooklyn Tabernacle, não fomos, mas li muito sobre ela, conheço algumas músicas e tenho vontade de voltar um dia e conhecer, dá pra ouvir o coral deles no YouTube. 

E já que é pra falar de Estados Unidos, o próximo post será sobre compras. Porque até eu, pessoa super controlada e não consumista, me rendo um pouquinho aos outlets e lojas de lá :)


quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Os sabores da minha Nova Iorque :)

Como disse no post anterior, comida é coisa séria na nossa família. E, por favor, nada de viajar e comer só em redes que já existem no Brasil. Confesso que fico com um pouco de raiva quando vejo alguém que viaja para um lugar e não come nada típico. Entendo que cada um conhece seu corpo e as restrições dele, mas vamos combinar que MCDonald's e Starbucks não são a solução pra isso, a não ser, é claro, que você more numa cidade que não existem esses restaurantes, aí é a desculpa de falar: "não tem na minha cidade, mas eu fui em Nova Iorque", rs! Ou se você é mega ultra fã das redes, se joga! Eu sou... então confesso que já fui neles, mas não me limito a eles. Certo? Então, prepara pra morrer de vontade, salivar bastante e já marca quais sabores você quer desvendar na sua viagem para Nova Iorque :)

Hot Dog: 
Primeiro hot dog de rua em NY :)
- De rua: Li inúmeras vezes: "você não esteve em NY se não comeu um cachorro quente na rua" e, olha, é verdade. Quando você pede um, você se sente dentro de um filme. Eu acho delicioso, é bem diferente do nosso aqui no Brasil, vale a pena a experiência.
-  Gray's Papaya: foi o melhor para mim! Se você assiste How I met Your Mother, talvez lembre da cena do réveillon  que eles estão numa limusine, sem ter pra onde ir e o que comer e se lembram do hot dog da lanchonete, é uma delícia e super barato. Vá e peça uma Piña Colada (eles vendem uma versão sem álcool, bem docinha) para acompanhar :) Tire fotos e me faça inveja. 
- Nathan's Famous: quando chegar em Nova Iorque, vai perceber que todo estabelecimento sempre é intitulado como o "melhor hot dog/burguer/pizza/pasta". Foi assim com o Nathan's, fui esperando o melhor de todos, mas acabei apenas comendo um gostoso cheese dog, porque o meu preferidinho ainda é o do Gray's Papaya. Não estou te dizendo pra pular o restaurante, porque vale pela história, afinal são quase 100 anos de existência e em Coney Island, localizada no Brooklyn e é casa do primeiro Nathan's, é realizado o Hot Dog Eating Contest, a competição para ver quem come mais lanches! DICA: vá ao restaurante no dia que for conhecer o  New York Aquarim.

Donuts:
O café da manhã está na esquina
- Tome café da manhã na rua e peça um (os carrinhos estão em vários lugares) donut. O café deles é meio ruim (aguado, eu prefiro o mais forte, sempre), escolha um suco de maçã (acho mais gostosos do que os daqui, nem sei se tem diferença ou eu criei isso) para acompanhar. Café da manhã barato, gostoso e prático.
- Dunkin Donuts (tem em muuuuitos lugares) e é bem gostoso. Aqui em São Paulo tinha quando eu era pequena eu amava os donuts de lá e ter essa oportunidade foi quase como voltar à infância. Pede um bavarian por mim!




Starbucks:
- Um em casa esquina. Sua desculpa para ir lá é usar o wi-fi free e a principal: banheiros bons. Ok, não só por isso, os muffins de banana, blueberry e chocolate são deliciosos. E eu amo o café de lá, mas se na sua cidade já existe uma franquia de Starbucks, tente conhecer novos lugares na cidade. De todo o jeito, é sempre uma boa pedida, vai...

Hambúrguer:
- Burger Joint: DELÍCIA. Com 10 dólares você come um hambúrguer fantástico e refrigerante (não me pergunte o porquê, mas prefiro a coca aqui do Brasil, então lá eu sempre preferia sprite ou pepsi). Só aceita dinheiro e você talvez tenha que aguentar uns minutos em pé numa fila básica. Vale a pena? Vale! Por quê? Pense em uma lanchonete espelunca atrás de uma cortina dentro de um hotel chique. É o meu preferido da vida até o momento. Se já comeu algum melhor, me fala, por favor! DICA: ir lá depois de uma visita ao MoMA (Museu de Arte Moderna), fica pertinho e você ganha tempo no seu dia.
O melhor fast food da vida
- Five Guys: é uma rede fast food, então tem em vários lugares. Lá o refrigerante é refil e você escolhe os acompanhamentos para qual base escolher (burguer, cheese burguer ou bacon cheese burguer). Eu gosto de ficar do lado esperando para ver a montagem do hambúrguer, é tão bem feito (pense que é um restaurante fast food) e eu sempre escolho os ingredientes básicos: alface, tomate, cebola e maionese!
Simples e gostoso
- White Castle: conhecido por ter sido o primeiro "Fast Food". Com 7 dólares você come 4 hambúrgueres pequenos + batata + refrigerante (não é refil). 




 Restaurantes:
- Eataly: Vá com tempo, por favor! É um mercadão italiano com entrada pela Quinta Avenida. Com 13 dólares, você come um penne DIVINO. Eu nunca fui pra Itália, então acredito em quem já foi pra lá e diz: "é o melhor lugar onde você vai comer comida italiana fora da Itália". Peça a salada caprese de entrada e morra de amor, sério. E a pizza é uma coisa que eu não consigo nem descrever. Quando eu disse para você ir com tempo, falei sério mesmo. Motivo? Uma diversidade incrível de molhos, massas e temperos. Eu não fui boba e trouxe para o Brasil pra garantir a macarronada de domingo, faça o mesmo :)
- Gallagher's Steak House: peça o Sirloin Steak (The New York Strip).Vai ser uma refeição um pouco mais cara, mas garanto que vale a pena cada centavo. Se quiser comer uma boa carne, vai lá. Não é obrigatório, mas se tiver tempo, dinheiro e vontade, vai com tudo!
- Famous Famiglia: não é "parada obrigatória" mesmo! E essa pizza criou intriga na família, era um dizendo que era boa, outro dizendo que era a pior coisa da vida... Mas se passarem por uma e estiverem com vontade de comer uma pizza bem gordurosa (pelo menos pela experiência) vale a pena. Peça as clássicas de mussarela ou pepperoni. Não diga que eu não avisei, hein? É super gordurosa, mas se quiser se sentir num filme (isso vai acontecer em vários lugares em Nova Iorque) pede um pedaço de queijo, molho de tomate e óleo e se acabe!
- Totonno's: pizzaria que fica no Brooklyn, só vale a pena a visita se você tiver algo planejado em Coney Island, que é onde fica o local. A verdade é que se você vai ao Eataly e come uma pizza marguerita de lá, todas as outras ficam meio "bleh"... DICA: outro possível lugar para comer caso você visite o New York Aquarium.
- Katz's Delicatessen: famoso sanduíche de mostarda com pastrami que dá orgasmos (quem viu o filme When Harry met Sally sabe a fama do sanduíche). Ah, o sanduíche é grande e gostoso. Grande meeesmo, viu? Quando entrar na deli, escolha as mesas longe da parede, as centrais (que são as que não tem garçom e mais baratas, você só vai ter que ir no balcão fazer o pedido).
- Soup Man: sopas, sopas, sopas! Fomos numa época de calor e eu admito que fiz uma cara feia ao pensar na hipótese de tomar sopa naquele calourão, mas valeu a pena, foi muito bom e se você assistia Seinfeld é obrigatório ir lá! No soup for you! :P

Doces:
- Magnolia Bakery: #SexAndTheCityFeelings! Pede um cupcake de Red Velvet, é o mais gostoso! Outra pedida é o pudim de banana, bem gostoso e docinho. Tem em vários lugares. Fomos na do Rockefeller Center (quando for visitar o Top of The Rock ou loja da Lego ou Nintendo ou qualquer coisa na região) e também tem uma no Grand Central Terminal (para aproveitar o dia que estiver por lá).
- Pershing Square Cafe: peça as panquecas de blueberry (salivei só de lembrar, jogue o mapple syrup em cima e SEJA FELIZ )e os egg's bennedicts. Esse lugar é tão especial, eu meio que "enchi o saco" dos cunhados e marido, porque necessitava de boas panquecas, aí com a ajuda do Foursquare, o cunhado descobriu as panquecas e olha... que saudade! Eu comi os dois pratos e fiquei TÃO CHEIA que não almocei. O waffle também é muito saboroso. Suco de maçã e smothies são ótima pedidas para acompanhar, nem arrisquei pedir o café fraquinho. DICA: antes ou depois de tomar café por lá, passe no Grand Central Terminal, você vai se sentir num filme. É demais pra tirar fotos e ficar olhando. Ah, lá dentro tem uma Apple Store e uma Magnolia Bakery.
- Jacques Torres: não sei se é o melhor chocolate quente do mundo (como dizem), mas garanto que foi o melhor do meu mundo. Peça um cookie pra acompanhar. Saudades, chocolate quente cremoso delícia.
- Ladurée: filial da francesa loja conhecida pelos macarons deliciosos! Eu nunca tinha experimentado um macaron na vida, fui logo comer um da Laduree. Nunca mais comi um macaron sem comparar com o de lá. #chatinha #fresca #desculpasociedade
- Bouchon Bakery: tem macarons gostosos (o de baunilha conseguiu ser melhor que o da Laduree, mas só o de baunilha, palavra de comilona!). Quando fui também comi um sanduíche de atum bem saboroso e comprei uma coca-cola de garrafa de alumínio, trouxe como souvenir para o Brasil e hoje ocupa um lugarzinho especial na minha mesinha de casa :) DICA: tem uma pertinho do Rockefeller Center

Sorvetes:
- Amorino (filial da sorveteria francesa): Sorvete de chocolate! Sim, porque eu sou o tipo de pessoa que sempre pede o mesmo sabor. Amei o de chocolate deles :) DICA: fica perto da Washington Square. Vale a pena visitar a praça, ficar sentado conversando, fotografando e vendo a tarde acabar.
- Grom (filial da sorveteria italiana): não deixe de experimentar o de limão siciliano, coco e pistache. Foi a única sorveteria da minha vida que não pedi para um sorvete de chocolate e não me arrependo nem um pouco. Melhor sorvete do meu mundo, quero agora! Dá uma olhada no site e veja onde tem a sorveteria. DICA: tem um carrinho da Grom perto do Central Park! :P


Ainda faltam os museus que visitamos e os lugares onde fizemos compras, mas as comidinhas são sempre as melhores coisas de uma viagem pra mim. O que mais li em blogs sobre a cidade que não pára é que cada um faz a sua do seu jeito. Nova Iorque surgiu na minha vida numa fase que eu precisava de algo novo e mudou muito meu jeito de ver e sentir o mundo ao meu redor. Fui feliz lá, fui mais feliz depois que voltei de lá, sou e estou feliz agora quando lembro de lá e me inspiro nela pra sonhar com meu próximo destino :)

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Das minhas viagens...

De 2012 para cá, passei a acompanhar alguns blogs de viagens. Em junho viajei com marido para um final de semana em Campos de Jordão e não queria passar sufoco na viagem e comecei a pesquisar o que fazer e comer por lá. Foi a primeira experiência que tive em organizar viagem. Em 2010, por exemplo, viajamos para Cabo Frio e sabia pouco da cidade, do que comer e do que fazer por lá. A viagem foi ótima, mas sinto que se tivesse pesquisado mais, teríamos aproveitado infinitamente melhor as praias e tudo que a Região dos Lagos tem a proporcionar.

Pesquisar blogs de viagem me ajudou não só nos destinos que fiz desde então, mas também me fez ver a necessidade de se estabelecer um roteirinho básico sempre. Pode parecer chato, mas eu garanto: pesquisar vai ser prazeroso e você vai começar a sonhar e se empolgar com as cores e os sabores que descobrirá na cidade escolhida :)

Mas a primeira viagem totalmente roteirizada que fiz foi para Nova Iorque em setembro de 2012. Viajei com marido e cunhados. A Talita Ribeiro (que escreve nos blogs: Viagem e Voo e Jornalistas que correm), minha cunhada, é alucinada por viagens. Ela e o irmão, meu marido, amam a estrada como poucas pessoas que já conheci nessa vida. Com ele aprendi que a melhor coisa de poder ir para lugares mil é poder ter para quem e para onde voltar. E foi com ela que peguei a mania de pesquisar freneticamente sobre os lugares a serem visitados e, mais do que isso, aprendi que a viagem começa muito antes de você embarcar para seu destino. Fizemos um super roteiro do que queríamos conhecer, onde queríamos comer (isso é coisa séria nessa família) e quando viajamos já sabíamos qual museu ficava perto de tal restaurante e por aí vai.

Depois da viagem várias amigas pediram dicas do que fazer, aí escrevi um e-mail com os lugares que visitamos e minhas impressões sobre eles. Minha maior felicidade foi ver que cada uma aproveitou de um jeito especial. A Juliana e a Cláudia se apaixonaram pelo Five Guys, a Angela me fez inveja com as panquecas do Pershing Square e a Fran se jogou no melhor chocolate quente do (meu) mundo no Jacques Torres. Decidi compartilhar as dicas aqui no blog. Não sei quem vai ler aqui e se vai ajudar alguém, mas sei que Nova Iorque é um destino especial pra muita gente e o que aprendi é que cada um tem/faz a sua Nova Iorque.

Em breve postarei todas as dicas que mandei para minhas amigas e espero que ajude de algum jeito a viagem de alguém :)

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Da coragem tardia OU "Até que enfim você vem comigo!"

"- O que está acontecendo? Nunca vi esse seu lado..."

"- Não mesmo, ninguém viu. Nem eu", ele pensou apenas, não teve a coragem ou o saco pra dizer isso, apenas virou as costas, sem hesitar, sem olhar para trás.

Sempre tão racional, Henrique não acreditava que estava, de fato, largando tudo. Mas pensou bem... "Tudo? Larguei apenas o emprego dos sonhos... dos outros". Tirou a gravata que o apertava, entregou o terno para aquele senhor que estava sempre em frente ao prédio da empresa, pegou seu carro, ligou o som no volume mais alto possível, nem lembrava que o som era tão potente assim. Cantou, chorou, riu, gritou, ficou em silêncio, cantou de novo, chegou em casa... Ninguém para dar satisfação. Os pais moravam no interior desde que se aposentaram, os irmãos todos casados e ele, sempre tão focado no trabalho, tinha tudo o que sempre quis, mas nada do que sempre desejou.

"Vou viajar", disse pra si mesmo. Pegou o passaporte, tirou a poeira da capa, viu que as folhas estavam lotadas de carimbos... "Que coisa, não me lembro de ter conhecido todos esses países". Pegou o telefone e ligou pra única pessoa que ele sabia que o entenderia. Depois te contar toda a história, ela apenas disse: "Mas você não conheceu nada mesmo, estar num lugar não significa que você conheceu ou desvendou o que passava ao seu redor. E agora... vai fazer o quê?". Antes que ele pudesse dar a resposta, ela disse: "Estou passando aí em 1 hora. Esteja pronto. Caio no mundo contigo". Ela desligou e ele ficou lá. Durante meia hora, ficou parado sem entender nada. Saiu do transe quando o telefone tocou e ela disse: "Minhas malas estão prontas, estou saindo de casa".

Correu pro quarto, antes de fazer a mala, sentou perto da cômoda e começou a escrever. Ele não sabia ainda o motivo pelo qual escrevia aquela carta, não sabia se entenderiam como um ato de coragem ou como apenas um de seus delírios tantos. Cansado das mesmas coisas e pessoas, ele aceitou dar um respiro de tudo. Ia se jogar no mundo, colocar uma mochila nas costas, sacar todo o dinheiro da poupança e, sem o medo de antes, cair na estrada. Ela iria com ele. Ela, a mais corajosa de todas, a mais bonita, a melhor amiga... Demoraram anos, mas ele realizaria o sonho que eles partilhavam quando adolescentes. Anos depois ele disse sim para o convite que ela havia feito numa noite quente de novembro: "Vem comigo?". 

Ela, o sossego dele. Ele, o sufoco dela. E eles se acompanham, finalmente.


"You’ve gotta live your life
While your blood is boiling
Those doors won’t open
While you stand and watch them"

***

sábado, 3 de agosto de 2013

da montanha russa


é a vida, sabe? a vida e seus altos e baixos. a vida e suas feridas. a vida e suas feridas não cicatrizadas. 
se o medo dela é que antes de cicatrizar arda muito. meu medo é que a ardência pare e não sare. mas a gente ri e lembra que tudo sara. 

a gente ri do tempo. ri das nossas tristezas. ri dos tapas na cara que a vida dá na gente. e aí chora um pouquinho ao lembrar que os tapas doem bastante. chora, engole sapos, seca as lágrimas e ri de novo. porque nosso riso é melhor e mais forte que qualquer problema, que qualquer ferida.

vai passar, eu sei. vai passar, ela sabe. a gente sabe que nada é eterno. "para sempre por um triz". a tristeza, minha cara, não é eterna. felicidade é terna. é isso que a gente procura. 

vai demorar. vai arder. mas a gente vai limpar as feridas e elas vão cicatrizar. e aí elas vão ficar como marcas do que fomos, do que ainda somos e do quanto sempre seremos felizes.

tudo sara. né?

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Do constante acreditar

Naquela noite nem muito fria, nem muito quente, a frase do mocinho mexeu com meu coração: "take a leap of faith". Engraçado. Vejo sinais em tudo e todos. E as respostas vem de onde menos espero: a frase de um livro, o diálogo num filme, o texto escrito há anos que parecia sem sentido na época, em anotações no diário, em sonhos e nas palavras do desconhecido que parece me conhecer melhor que eu mesma.

"Take a leap of faith" é uma expressão que surgiu na minha vida há um tempo. Eu dei o salto na época e pouca coisa mudou. Dou outro agora? Ou deixo de acreditar? Talvez seja isso: eu sou uma pessoa de fé. Mesmo quando o outro não merece, mesmo quando eu não mereço mais sofrer ao confiar. Sou feita de acreditar. "Mar calma nunca fez bom marinheiro". Pode chegar em mim, tormenta. Depois de você é que vem a bonança.

Que assim seja.

***

 - Talvez meu filme não tenha acabado - digo, porque às vezes os cineastas enganam o público com um falso final ruim, e bem quando você acha que o filme vai acabar mal, algo dramático acontece, o que leva ao final feliz.
(O Lado Bom da Vida - Matthew Quick)

segunda-feira, 1 de julho de 2013

01 de julho

Poesia em forma de música. Palavras soltas no papel. E todas as delicadezas de sonhos antigos que voltam à tona. Olhar o tempo passar pela janela nunca foi tão simbólico. É inverno em São Paulo. E metade do ano se foi. Julho mal começou e é impossível não pensar que agosto está chegando e com ele algumas lembranças pesadas. 

Mas é melhor pensar no que está sendo e não no que foi ou será. Julho começa e traz esperanças tantas. Hoje faz frio, a madrugada foi chuvosa e barulhenta, sonhos agitaram o sono, mas é pela manhã que tudo se faz novo. Eu voltaria atrás pra avisar à menina Sara que tudo está valendo a pena. Apesar de. Tudo está valendo a pena hoje. 


"eu olhei a tristeza nos olhos
e sorri"

***

terça-feira, 25 de junho de 2013

Dos dias cinzas

Das verdades tardias que doem. E das feridas que demoram pra fechar, mas que cicatrizarão um dia, quiçá. Dias cinzas são feitos de coisas assim. São feitos da espera da dor passar, são feitos das lágrimas que rolam pela face.

Os dias cinzas são complicados porque estão bem no meio. Não são brancos ou pretos, são simplesmente dessa cor-quase-cor. E ela gosta dos extremos. Que seja dia ou noite. Que seja sol ou temporal. Mas um dia cinza sem qualquer emoção faz o coração apertar, traz à memória todas as coisas que não foram e aquelas que deixaram de ser naquela tarde de junho.

Depois da tempestade, vem a bonança. Depois de um dia de sol e chuva, tem o arco-íris. Mas o que vem depois de um dia apenas cinza? O que vem depois de um dia quase sem cor? Talvez todos os “e se...”. E se o sol sair? E se a chuva começar? E se o dia melhorar? Pena que não dá pra viver de possibilidades. A vida real acontece enquanto o dia cinza não clareia nem escurece. 


***
"Abre a janela agora
Deixa que o sol te veja"
(Marcelo Camelo)

quinta-feira, 20 de junho de 2013

#2 Café compartilhado

Depois que fiz o primeiro ato de gentileza, minha vida mudou muito. Comecei a pensar mais no outro, passei a cobrar menos das pessoas, a entender melhor e a me doar mais ainda. Quem me conhece, sabe que uma das coisas que mais me dá prazer é servir e amar, não me importo em "perder" tempo cuidando de quem eu amo, porque vejo que estou ganhando e não perdendo nada. A questão é que, quase sempre, a gente espera algo em troca. Eu esperava muito algum retorno, fosse um "obrigado", um beijo, um abraço, um bilhete, um sorriso... Mas as coisas devem acontecer naturalmente. E quando acontecem valem muito mais a pena.

Ontem foi o dia de conhecer o Ekoa Café, alguns amigos já tinham visitado o lugar e me falaram sobre o simpático lugar. Tudo lá é muito gostoso, com gostinho de comidinha feita na hora. Fui com Helena, a melhor amiga do colegial e irmã que escolhi para a vida, e nos apaixonamos pelo ambiente, que já está na minha lista de melhores lugares de São Paulo.

Primeira coisa que fiz foi perguntar sobre o café compartilhado e fiquei muito feliz ao receber uma pequena xícara com uma das minhas bebidas prediletas (viciada em café em tratamento) e um bilhete. Pode parecer simples demais, pode parecer pequeno demais, é apenas um cafezinho com um recadinho, pra que achar que isso é grande coisa? Pelo simples motivo que alguém foi lá e separou um minuto do seu dia para escrever um bilhete para um total desconhecido. Meu dia tinha sido difícil, mas uma simples gentileza me trouxe um sorriso bobo.

Retribuí o ato deixando um café com palavras carinhosas e desejando que a pessoa tivesse um dia leve, doce e muito abençoado. Espero que as palavras façam alguém feliz hoje. O dia triste se apagou da minha mente, a noite ficou longa com a melhor amiga e conversamos horas sobre as palavras que recebemos, nossos sonhos, nossos erros, nossas histórias que se cruzam sempre. O mais engraçado é que cada uma recebeu o que precisava ler naquele dia! Eu precisava de um café para aquecer o meu dia que cinza e ela precisava lembrar de viver a vida em sua plenitude.

PS: Infelizmente, fiquei doente e por quase três semanas fiquei visitando hospital, fazendo exames, acabei realizando uma cirurgia e fiquei afastada de minhas atividades. Logo, dei uma pausa no projeto para cuidar um pouco de mim. Essa semana voltei e já estabeleci metas, voltarei a escrever sobre! :) #gentilezageragentileza

terça-feira, 28 de maio de 2013

#1 Do mundo que dá voltas

Dar um presente e escrever uma carta para uma pessoa que não era minha amiga e que, como eu, tinha passado por uma fase difícil nos últimos meses. Sobre esse ato, não vou entrar em muitos detalhes, pois é algo bem pessoal. Mas basta saber que a vida nos traz muitas surpresas e depois de ter conversado com essa pessoa e entendido tantas coisas mal explicadas que existiam entre nós, eu resolvi que o meu teste seria esse. Se eu conseguisse ser gentil, sem nenhum interesse, com essa pessoa em especial, eu estava pronta para seguir com esse projeto. Porque ser gentil com quem a gente ama, com quem está do nosso lado é super fácil. 

Sou cristã, então esse primeiro ato teve um significado ainda mais especial pra mim, porque é fácil eu dizer que amo Deus e odeio o ser humano ao lado. Relutei um pouco, senti vergonha de parecer louca, mas criei coragem e fui.

Imagine minha surpresa ao receber uma mensagem dizendo que meu gesto tinha mudado seu dia, que havia começado um tanto quanto pesado. Eu não sei ao certo o que plantei com esse gesto, mas sei que foi algo bom e é bom fazer algo que dá alegria ao outro! 

Ainda estou começando. Não tenho data pra terminar, não tenho limite de atos de gentileza por dia. Só quero "fazer o bem sem olhar a quem". Se eu fosse você, tentaria. Nada é melhor do que ver que um simples ato pode mudar o dia e até a vida de alguém! E se te chamarem de louco? "Don't worry, be happy!". Dê gargalhadas, olhe o lado bom da vida! Sorria e seja gentil. Garanto que é mais fácil e mais saudável do que guardar tristezas, ser rude ou desinteressado. Simples assim.

***

Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós. (Antoine de Saint-Exupéry: "O Pequeno Príncipe")

sábado, 25 de maio de 2013

Atos aleatórios de gentileza


Conheci o projeto por meio da Mariana Laudeauser, que escolheu comemorar seu aniversário de 26 anos de uma forma diferente, como contou em seu blog

Ano passado descobri o "Birthday Project", em que a querida Robyn Bomar conta a história de como ela comemorou seu aniversário de 38 anos fazendo 38 Random Acts of Kindness (Atos Aleatórios de Gentileza, em inglês) durante o dia. E a história mexeu muito comigo e resolvi fazer o mesmo esse ano!
Então listei 26 coisas para fazer durante os próximos 3 dias (por causa do trabalho não consigo fazer tudo num dia só) sem esperar absolutamente nada em troca.

Na hora eu achei a ideia brilhante! 2012 foi um ano bem complicado para mim, passei por fases difíceis e, às vezes, me sentia sozinha e toda vez que algum conhecido ou desconhecido (e quase sempre era um desconhecido) demonstrava carinho comigo, eu me sentia agraciada, me sentia verdadeiramente abençoada. Achei que com esse projeto eu poderia "retribuir" tudo o que tinha recebido. Afinal, gentileza gera gentileza.

Comecei a pensar em 27 coisas para fazer no meu aniversário, mas isso só acontecerá em outubro. Aí eu pensei: por que não começar agora? Mil coisas passaram pela minha cabeça, até que tive a ideia do meu primeiro ato, que realizei no meio dessa semana. E já sei quais serão os próximos! Escreverei um post sobre cada ato. Vou usar as palavras da Mariana para deixar bem claro minha intenção: Compartilharei ao longo dos dias nas minhas redes sociais e todos podem acompanhar. Quero deixar claro que estou fazendo isso por mim, pq é algo que quero muito fazer e estou divulgando não para receber aplausos e elogios, mas para espalhar a história adiante e tentar inspirar pessoas da mesma forma que fui inspirada.

Seja gentil você também! Garanto que vai mudar o seu dia e, quem sabe, a vida de outra pessoa!

sábado, 18 de maio de 2013

Das palavras inesperadas

Semana atípica. Que começou com uma ligação ruim e termina esperançosa. E, no meio dessa semana, algumas doses de emoções necessárias, conversas há muito adiadas, olho no olho e abraço no final.

Porque "é preciso exigir de cada um o que cada um pode dar"*. E o que eu sou e tenho não é o que o outro é e tem. E ninguém é melhor ou pior por isso, cada um vem carregado com suas próprias histórias, suas paletas de cores e sabores, seus desejos e suas limitações.

É estranho sentir paz depois de tanto caos. Mas é prazeroso se reconhecer no outro, ver que somos todos tão jovens e que temos pouco tempo (ou todo tempo do mundo?) pra viver nossos sonhos.

Do amanhã eu espero mil coisas, mas não sei quais delas se realizarão. Só me resta sonhar, criar coragem, ser valente, ser guerreira, como sempre. Tenho medo? Sim. " - Pode um homem continuar a ser valente se tiver medo? - Essa é a única maneira de um homem ser valente"**.

Mas como ouvi esses dias: "talvez essa seja sua maior decisão e no futuro o que foi ruim não fará nem reflexo na sua sombra". E minha decisão é ser feliz.

Palavras de conforto normalmente vem de onde menos esperamos.

Amém.

* O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry
** As Crônicas de Gelo e Fogo: A Guerra dos Tronos - George R.R. Martin


Arte do site: http://ecomh.com.br

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Do silêncio e não da falta de palavras


Ficar em silêncio não significa não ter mais o que dizer. Às vezes, significa que as palavras não ditas são mais valiosas. Não sei se o silêncio não comete erros, se é uma frase difícil de ser lida, se é ouro ou se a virtude dos loucos. Só sei que há tempo para falar e calar. E saber reconhecer isso é que faz a grande diferença.

Estar em silêncio não é não ter mais para quem escrever ou sobre o que falar, mas sim economizar forças que, antes, eram gastas desnecessariamente. Às vezes o silêncio inspira mais, faz transpirar em nós desejos e sonhos tantos. 

Ser silêncio não é estar só. Ser silêncio é ouvir mais. Ouvir o outro, quando você quer falar. Ouvir Deus falar ao coração de um jeito sublime. Ser silêncio é olhar mais, observar o mundo e suas cores. É se deixar levar por mil sabores. O sabor do beijo, o sabor do chocolate, o sabor do dissabor, o sabor do amor. O sabor do saber.

Silencio. Porque ser e estar em silêncio é, agora, estar em paz.

***

Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu...
Eclesiastes 3:1 (NVI)

sábado, 27 de abril de 2013

Dos anjos mais velhos

Sou cercada de guerreiras. Me sinto abençoada de ter exemplos de mulheres incríveis na minha vida. Hoje é aniversário da minha avó. Dona Therezinha, a carioca descendente de portugueses e ingleses. Dona de sotaque escrachado, risos incontroláveis, pernas grossas (alô, genética!) e personalidade forte. Ficou viúva cedo, criou sete filhos (sendo que uma faleceu num acidente de carro), viajou para o Japão, para Alemanha, pra Portugal, para os Estados Unidos e para inúmeras cidades do Brasil, é avó e bisavó, já quebrou a perna, operou o joelho e venceu o câncer.
Desde o ano passado, ela está morando aqui em São Paulo e eu me sinto privilegiada. Vivendo em São Paulo desde os dois anos de idade, eu a visitava apenas nas férias e agora tenho a oportunidade de vê-la toda semana, de rir das histórias dela e de sentir toda a força que ela inspira e transpira.
Ela é uma das muitas mulheres fantásticas que tenho na minha vida. Me sinto grata, me sinto abençoada, me sinto aprendiz de guerreiras.

Amo cada uma.

"Só enquanto eu respirar".

sexta-feira, 29 de março de 2013

Um sorriso muda tudo

Segunda-feira começou com algumas novidades. Consegui realizar mais uma coisinha da minha "Lista de sonhos de 2013". Sim, sonhos. Porque eu não faço mais planos depois que descobri que sou tão ansiosa que já planejo minha vida para os próximos 30 anos, no mínimo. Depois de quebrar um pouco a cara com todos os planos não realizados e expectativas frustradas, resolvi mudar o foco e viver um dia de cada vez!

No final de 2012, escrevi todos os sonhos que teria que correr atrás em 2013. Alguns posso falar e já consegui realizar: voltar para o inglês, ler dois livros por mês, ter sábados sabáticos e, o último, começar a academia. Foi isso que aconteceu na segunda-feira. E o que um sorriso tem com isso? Tudo. Simplesmente tudo. Porque não é fácil acordar cedo, deixar a preguiça de lado, ir para a academia, treinar por mais de uma hora e depois se arrumar para ir trabalhar. Sair do trabalho e duas vezes por semana ir para o inglês. Após estudar e exercitar a mente, chegar em casa arrumar tudo e fazer uma comidinha gostosa. Nada disso é fácil, mas se eu resolver encarar todas as responsabilidades e desejos com um sorriso no rosto, tenho certeza que o fardo será mais leve. "Se o que eu sou é também o que escolhi ser, aceito a condição".

No meu aniversário decidi que meu lema seria diferente esse ano: "Sorrir mais, soltar gargalhadas. Deixar para trás o que me entristece". A vida dá muitas voltas, é cheia de altos e baixos, sou repleta de responsabilidadea em casa, na rua, no trabalho, na escola... Saber lidar com tudo isso de uma forma sadia é o que fará a diferença em 2013.

Desafios, possibilidades, sonhos de 2013: continuem surgindo. Encaro tudo com um sorriso :)

*Texto de hoje inspirado nesse post da querida Sam Shiraishi que alegrou minha segunda-feira e reforçou o lema de que é preciso sorrir mais, dar mais gargalhadas, mesmo sem motivo aparente: