quarta-feira, 14 de julho de 2010

Confissões - parte 4


Alguém disse que paixão dura até dois anos e que muitos casais se separam depois desses tais anos juntos, a maioria separa porque vê que não era amor, que era apenas fogo, paixão e que não conseguem mais dividir cama, mesa e banho.
Casamento é coisa séria. Eu não fui pedida em casamento, eu aliás nem queria começar a namorar, sempre quis estudar, alçar novos vôos e quando pensasse em namorar, seria algo sério. Careta, eu sei. Careta para os dias de hoje, mas não ligo, essa foi minha educação e não me arrependo de ter esperado tanto e respeito quem pensa diferente.

O Tiago apareceu na minha vida numa época muito tensa, eu era uma moleca, ia trabalhar de all-star, calça larga, camisa de futebol e cabelo amarrado. Nós nos tornamos bons amigos, ele estava envolvido num relacionamento sério com outra pessoa e eu envolvida com meus próprios planos: a faculdade, o estágio na TV e um horário doido para trabalhar (madrugada cercada por homens, graaaandes profissionais que me ensinaram quase tudo o que sei). Tempo depois, ele e a namorada da época (hoje uma amiga minha) terminaram e nossa amizade se intensificou. Simplesmente porque tinha que ser e a gente quis investir em algo mais sério. Minto. Ele quis investir, eu relutei. Me fiz de difícil, de quem não queria nada com ninguém... mas me rendi. Ele conheceu minha família, eu conheci a dele, a amizade e parceria só aumentou. Um ano depois ficamos noivos e depois resolvemos casar.

No final de 2010, comemoraremos dois anos de casamento, as tais bodas de algodão. Não serei hipócrita: não foi tão fácil quanto as novelas, os contos de fadas e toda essa banalização de relacionamentos nos mostram. As qualidades e os defeitos afloram mais quando se vive junto com alguém, fui percebendo e descobrindo coisas que, antes, nem imaginava. Percebi que o café que ele faz é mais gostoso que o meu, que ele sempre deixará a toalha em cima da cama ou do sofá, que eu ainda tem medo da panela de pressão, que não gosto de dormir sozinha, mas não consegue dormir abraçadinha igual naqueles comerciais (afinal é preciso espaço!). Realizei o quanto sou chata quando estou na TPM, admiro o lado gentleman dele quando me pega no colo (depois capotar de cansaço no sofá) e me coloca na cama, dou risada e acho raiva - e quase sempre graça - do jeito Shrek de ser dele quando está jogando videogame e eu passo na frente da TV. Não consigo entender como gosto mais de futebol do que ele (afinal ele prefere as novelas e briga comigo quando torço contra o casal protagonista), ele se irrita comigo quando esqueço de pagar aquela conta que ele pediu, eu morro de raiva quando ele esquece de fazer qualquer coisa que pedi também e por aí vai... Coisas simples e sérias, se não forem bem resolvidas podem se tornar uma bola de neve!

Durante todo esse tempo tivemos que gritar, calar, aprender, ensinar, amar, fazer bico, ceder espaço, dar mimos. Eu me tornei mais mulher, pinto as unhas e os cabelos de vermelho, aprendi a cozinhar e às vezes trabalho 12 horas por dia. É, eu cresci. E ele também. Vez em quando passa dez dias na estrada e apenas um em casa, mas criamos um lema nosso e o levamos a sério: "não importa quanto tempo ficamos longe um do outro, temos que fazer valer a pena o tempo juntos". Ficou assim combinado e tentamos aproveitar cada segundo juntos.

A gente sempre deixou as coisas acontecerem naturalmente, sem forçar a barra, respeitando o tempo e o jeito um do outro. Logo, fará quatro anos que começamos o nosso e-terno namoro e as coisas só melhoram e se intensificam. E... bom, não só as coisas boas se intensificam. O jeito irritante (dele), a teimosia (minha), as caras feias e, vez em quando, fechadas (nossas) também. Tudo isso vai aumentando e a gente vai se amando, se entendendo, se rendendo, se completando.

E eu, aqui, termino mais essa confissão.

PS: Bem "querido diário" mesmo, saudade de escrever algo pessoal.

***

Pra relembrar:
Confissões, parte 1.
Confissões, parte 2.
Confissões, parte 3.

8 comentários:

Aline França disse...

Ai que texto lindo, torço por vocês Sara este é apenas o segundo de muitos e muitos anos até ficarem bem velhinhos :D
Amei o blog, volto pra ler as outras confissões depois.

Vanessa disse...

Tava no twitter e,por curiosidade,passei por aqui. Gosto de blogs.
Voce escreve muito bem prima,é gostoso de se ler.
Isso não é só uma confissão,mas um grande incentivo a todos que acreditamos que existe vida a dois feliz e com sucesso no convívio.
Vou passar mais por aqui!
Que Deus abençoe voces dois.
Com amor,
Sua prima Vanessa.

Sara disse...

ALINE
Oi, nêga!
Que bom que gostou! Obrigada pelos votos de felicidade. :)
Bjs

VANESSA
Prima, que saudades!
Meu blog estava meio paradinho, vou tentar atualizar mais, gosto muito de escrever e fico feliz que tenha gostado daqui.
Sabe, o casamento é uma bênção. Lembro que antes de casar, Tio Jorge teve uma conversa séria comigo sobre família, comprometimento e experiência de vida. Muito do que ele falou comigo, me ajuda hoje a vencer as batalhas diárias!
Bjs, lindona!

Lu·٠•● disse...

Foi a coisa mais linda que li nos útlimos tempos. Achava que poucas pessoas poderiam compreender essa minha felicidade de viver um amor incondicional, por um homem que para mim é a melhor pessoa do mundo.

E aí encontro o seu blog. E esse texto. E você traduziu tão perfeitamente,(Parece "eu e mô" aí no seu texto, rs.) que apesar de não conhecê-la, faz parecer que ao fundo dessas letras se passam cenas de vocês em marca d'água, de tão lindo que é. E eu fico feliz. Feliz porque existem pessoas que amam de verdade e são felizes. Que tem alguém especial como Eu tenho. Que vive as diferenças do dia-a dia como um aprendizado e faz disso uma razão para serem melhores um com o outro.

Lindo. Simplesmente Amei.
E eu que escrevi dia desses sobre como iniciou a Minha história de Amor, me vejo em seu texto como na continuação dela, rs.


vou te seguir, de tanto que gostei. E te convido a passar no meu blog também.
http://ditopelalu.blogspot.com

Tudo de bom pra vocês; Felicidades Sempre.


p.s.: Você tem o mesmo nome que minha irmã...Sarah.

Júlio Melo disse...

Oi Sara

Legal seu texto... pelo tempo que te "conheço" eu meio que peguei essa história mais ou menos na metade, e a estou vendo evoluir de forma muito bonita. Parabéns.

Hein, porque voce não escreve um blog sobre os causos, atos e fatos de um casamento? (não só o seu mas de outros também)... seria legal, seria um blog destinado aos casados, futuros casados, noivos, namorados, namoridos, enrolantes (aqueles que enrolam, enrolam), ficantes, pretendentes, flertantes, paquerantes, gente que se apaixona todo dia pela pessoa errada, gente que espera com paciencia..., gente que o amor não está mais ao lado, gente que se esqueceu e que ainda não se esqueceu de amar, gente que deixou o amor em algum lugar, gente que jurou amor eterno e correu atras do primeiro rabo se saia, gente que se apaixonou por uma garota de programa (como diz na música de Odair José "eu vou tirar voce desse lugar", e que o Amarante gravou) e gente que ainda não se conheceu e que está ainda vagando por aí a procura do par perfeito.

Seria uma auto-ajuda matrimonial...

Eu só não sei se esse blog encorajaria ou desencorajaria as pessoas ao matrimonio hhehehe, brincadeira...

Um grande abraço em voce e no Tiagão. Valeu. Até a próxima.

Ju JBRR disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ju JBRR disse...

Oi Sarinha!
Coisa linda a história de vocês...
Que esse amor seja eterno como nosso DEUS, dure enquanto durarem as misericórdias Dele sobre nossas vidas!
Muito bom ser madrinha de um amor assim! (apesar de estarmos papéis trocados várias vezes..rs..)
Amo vocês dois! Oro e sempre orarei por esta união.
BjoooO!

J.Stefano ƸӜƷ disse...

É isso aí... vc me encanta menina mulher, que sempre está por perto pra me socorrer e me acoselhar. Fiz o que falou, há [poucos] meses,lembra? "Deixar acontecer naturalmente"... o resultado, agora, você já sabe. Te quero pra sempre por perto. Obrigada por tudo sempre, beijos!