terça-feira, 7 de outubro de 2008

Das miudezas nossas de cada dia...



Nunca fui lá garota de sonhar com palácios e suas mil e uma escadarias de ouro, diamantes, esmeraldas e afins, até porque, desastrada que sempre fui, com certeza tropeçaria nos degraus chiquérrimos. Não queria (e continuo não querendo) uma vida cheia de apetrechos e coisas descartáveis e só palpáveis (daquelas que se tocam, mas são frias, que não transmitem emoção alguma).
Sou adepta das miudezas. Das miudezas que conseguem mudar vidas. Transformar histórias. Que fazem brotar sorrisos. Que arrebatam pensamentos e emoções. Sou sonhadora, de imaginar o dia em que a Ana Beatriz e o Gabriel virão. De imaginá-los curtindo as miudezas dessa vida. Sou adepta de uma vida repleta de sonhos. Sou adepta dos beijos longos de cinema ou daqueles rapidinhos (do estilo: "amor, não posso parar agora, estou correndo, sabe como é nosso trabalho, não posso dar muita atenção, mas te amo, não esquece!"). Dos abraços fortes que criam novos laços e nos fazem perder os embaraços. Sou adepta das declarações de amor, seja uma simples e intimista ao pé do ouvido ou uma aos berros, em alto e bom som, na velocidade máxima do carro com vidros abertos em plena cidade de São Paulo. Sou mesmo é adepta dos olhares bonitos, que transformam qualquer dia cinza em dia florido. Dos carinhos e cuidados. Das singularidades que todos os eternos amantes da vida possuem. Sou adepta dos poemas de amor, das poesias em prosa, das palavras, dos fatos que preenchem as manchetes, dos pequenos atos que nos fazem tão, tão felizes...

***

Na foto: Miudezas. Simplicidade. Sonhos de um futuro.

***

"O que me faz vencer é saber
Que os TEUS planos eu posso viver..."

4 comentários:

iara-alencar disse...

oiiii
pois é, de pouco em pouco se consegue muito.
Bem vinda ao blogger.Obrigada por me adicionar.
....

e nosso julio melo desistiu mesmo ne.

Fee disse...

Que nada! Você quer a maior das riquezas, isso sim. (rs)
Pra mim, é nas miudezas que nós somos grandes e bonitos e nobres.

grandes mesmo são as imperfeições humanas (não todas), pretensões descabidas de ganhar um mundo que nem é mais como Deus criou... mesquinharia.

Bom mesmo é juntar miudezas, eu concordo!

Gostei de vc, parece ser uma pessoa bem doce.

Beijos

Andre Martin disse...

Eu também não queria morar em castelos. Quando criança, meu reino oscilava entre mangueiras e goiabeiras. Trepado em árvores, fazia delas minha Entreprise para cruzar os espaços siderais desconhecidos, a minha cabana de Tarzan, meu navio de pirata a singrar os sete mares! Puxa, como uma coisa estática e fincada pelas raízes foi tão longe e em tantos lugares!!

Sim, em geral é nos pequenos frascos que os perfumes mais fortes são guardados. E são mais difíceis de serem quebrados.

E o que eu quero dizer com isto? Há uma analogia mais direta ou intrínseca? Ah, sei lá, entende? rsrs

Andre Martin disse...

Ah, não vale! Você ficou com todos os "adeptos"... É, acho que vou ter que ficar com o que sobrou: sou um "inepto", mesmo!

http://mesdre.myblog.com.br
http://famainfame.blogspot.com
http://factar.blogspot.com